Infinity Safe logo horizontal

PT | EN

TENTATIVA DE INVASÃO NA OMS

Pensa-se que um bando de hackers de elite esteja por trás de uma tentativa de invasão digital na Organização Mundial da Saúde.

O  diretor de segurança da informação da OMS, Flavio Aggio, disse que a tentativa de ataque ocorreu no início deste mês e fez uso de um domínio malicioso. Os agressores por trás da invasão ainda não foram identificados. 

O hack foi apenas uma das inúmeras tentativas feitas contra a organização e seus parceiros nas últimas semanas, segundo a  Reuters. Um alto funcionário da agência disse ao site de notícias que desde o surto do COVID-19, o número de ataques cibernéticos à OMS dobrou, à medida que os criminosos tentavam tirar vantagem da crise. 

A OMS emitiu um alerta no mês passado de que hackers estavam imitando a agência na tentativa de roubar informações pessoais e dinheiro do público. 

Essa invasão sem êxito mais recente foi descoberta pelo especialista e advogado de segurança cibernética do Alexander Urbelis, do Blackstone Law Group, que o denunciou à Reuters. O Blackstone Law Group rastreia o registro de domínios suspeitos em seu escritório em Nova York.

Urbelis disse: “Percebi rapidamente que este era um ataque ao vivo à Organização Mundial da Saúde em meio a uma pandemia”.

Urbelis detectou um site duvidoso que Aggio, da OMS, confirmou ter sido usado na tentativa de roubar senhas de vários funcionários da organização. 

Segundo duas fontes anônimas abordadas pela Reuters, a responsabilidade pela tentativa de invasão pode recair sobre um grupo avançado de hackers chamado DarkHotel. O grupo de ameaças realiza ciber espionagem há pelo menos 13 anos. 

As evidências forenses digitais coletadas por empresas de segurança cibernética, incluindo Bitdefender e Kaspersky, sugerem que o DarkHotel tem operações com base no leste da Ásia. As organizações visadas anteriormente pelo grupo de ameaças incluíram funcionários do governo e executivos de negócios na China, Coréia do Norte, Japão e Estados Unidos.

Outros mal-intencionados detectados pela Urbelis incluem milhares de sites que buscam tirar dinheiro e/ou dados das vítimas, explorando o atual surto de coronavírus.

Descrevendo quantos sites inspirados no coronavírus ele encontra durante o dia de trabalho, Urbelis disse: “São cerca de 2.000 por dia. Eu nunca vi nada desse tipo.”

Compartilhe:

Mais artigos:

O perigo oculto do rastreamento de veículos

Imagine que você está dirigindo para o trabalho quando, de repente, recebe uma ligação de…

Compreendendo o Cenário de Interceptação: Uma Análise sobre o Incidente Russo

A crescente digitalização do mundo trouxe inúmeros benefícios, mas também gerou desafios significativos relacionados à…

O novo risco para conselhos corporativos e executivos: Wearables

A tecnologia vestível, como smartwatches e rastreadores de fitness, tornou-se onipresente nos últimos anos. Esses…

Gestão de Riscos Internos: Segurança Empresarial Moderna

uitos de nós já ouvimos falar de termos como fraude, sabotagem e insider trading. 🧐…