Infinity Safe logo horizontal

PT | EN

UM TERÇO DOS TRABALHADORES, GRAVAM SEUS PATRÕES

Esta conversa com seu funcionário pode ser gravada para fins de controle de igualdade.

Um terço dos funcionários que visitam o escritório da Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego dos EUA em Houston para registrar queixas de discriminação trazem gravações feitas secretamente de conversas delicadas com seus chefes ou recursos humanos, disse o gerente de divulgação Joe Bontke.

Nem todos eles acabam registrando queixas, disse ele, mas querem que a equipe da EEOC ouça gravações de reuniões, entrevistas ou sessões de aconselhamento individual por telefone que eles acreditam demonstrar tratamento injusto ou discriminação.

“Nossos investigadores usam quando conseguem”, disse Bontke em comentários a uma audiência durante um almoço no capítulo de Houston da Associação de Relações de Trabalho e Emprego. Gravações clandestinas são legais no Texas, desde que uma das partes da conversa esteja ciente disso.

Muitos empregadores ficam surpresos quando ouvem como isso é comum, disse Bontke, que faz apresentações para grupos de locais de trabalho. Parte dessa surpresa, disse ele, ocorre porque os gerentes não são tão versados ​​em tecnologia quanto seus funcionários e não sabem que os telefones celulares podem fazer gravações.

Isso incluiu Bontke, que disse não ter ideia de que seu próprio dispositivo pudesse gravar por até uma hora, até que seu filho, experiente em tecnologia, lhe mostrou como.

E alguns trabalhadores que conhecem as capacidades de seus telefones não sabem – até ouvirem as apresentações de Bontke – que podem usar os dispositivos para coletar evidências.

Valiosa e Válida, ou não?

Nem todas as conversas gravadas, no entanto, são criadas de maneira correta.

Katrina Patrick, que representa principalmente os funcionários da Patrick & Murphy em Houston, disse que as valiosas gravações são aquelas com evidências fumegantes que ilustram claramente a discriminação:

“Sinto muito. Precisamos de sangue jovem e fresco. Você simplesmente não vai cortá-lo mais” ou “Eu convidei você para voltar ao hotel e você disse não. É a sua palavra contra a minha.”

Comentários como esses, disse Patrick, nem chegam a um júri porque os casos são resolvidos muito rapidamente.

Mas as conversas gravadas raramente são tão diretas.

Alguns trabalhadores trazem gravações de conversas errantes que não ilustram muito. E isso pode desanimar um júri, disse ela – especialmente se parecer que o funcionário gravou secretamente a maioria das conversas, que podem parecer dissimuladas.

Os jurados então podem suspeitar que o funcionário estava deliberadamente armando para alguém.

Os funcionários também devem perceber que gravar secretamente conversas no trabalho pode violar a política da empresa e, por si só, pode ser motivo para demissão.

Isso pode voltar a assombrar um funcionário, mesmo aquele que presume que as gravações permaneceriam em segredo.

Jay Aldis, um advogado trabalhista que representa clientes administrativos na Bracewell & Giuliani em Houston, lembrou de um caso em que seu cliente suspeitou que um funcionário estava gravando secretamente conversas no local de trabalho. Ao solicitar provas no caso de discriminação racial, a Aldis solicitou uma cópia de qualquer vídeo ou gravação de áudio feita pelo funcionário.

Quando Aldis ligou para dizer que estava percorrendo as duas quadras para pegar o material solicitado, o advogado do funcionário disse que ele precisava de ajuda. Aldis riu, presumindo que o advogado estava exagerando – até que viu que o funcionário havia preenchido mais de 80 fitas cassete com conversas gravadas secretamente.
Suponha que está acontecendo

A gravação secreta é tão comum que Aldis diz a seus clientes para presumir que seus funcionários gravarão qualquer reunião disciplinar. E ele os lembra de permanecerem profissionais e não dizerem nada que não gostariam que um juiz ou júri ouvisse.

Ele também sugere que os supervisores perguntem aos funcionários, no início de uma reunião, se eles estão gravando a sessão.

“Se eles disserem que não estão e uma gravação aparecer, isso mostra que eles estão mentindo”, disse Aldis.

Isso não cai bem com os jurados.

Nem os júris gostam quando os funcionários estão claramente tentando recriar uma conversa anterior – desta vez em fita – pedindo ao chefe para relembrar uma conversa específica que tiveram em uma data específica sobre um tópico específico.

Parece uma armação, Aldis disse, especialmente quando o chefe não tem ideia do que o funcionário está falando. “Não soa verdadeiro.”

Faremos um novo post sobre a legalidade do ato no cenário brasileiro, fiquem de olho!

Compartilhe:

Mais artigos:

O perigo oculto do rastreamento de veículos

Imagine que você está dirigindo para o trabalho quando, de repente, recebe uma ligação de…

Compreendendo o Cenário de Interceptação: Uma Análise sobre o Incidente Russo

A crescente digitalização do mundo trouxe inúmeros benefícios, mas também gerou desafios significativos relacionados à…

O novo risco para conselhos corporativos e executivos: Wearables

A tecnologia vestível, como smartwatches e rastreadores de fitness, tornou-se onipresente nos últimos anos. Esses…

Gestão de Riscos Internos: Segurança Empresarial Moderna

uitos de nós já ouvimos falar de termos como fraude, sabotagem e insider trading. 🧐…